Em junho passado, a Diretora da Creative Tourism Network ® visitou as Ilhas Magdalen (Quebec), onde ficou impressionada, não só pela qualidade e diversidade das ofertas criativas, mas também pela excelência do modelo de gestão do turismo criativo, que permite atrair novos perfis de viajantes e criar uma cadeia de valor em todo o território.

Ela compartilha suas impressões na entrevista abaixo:

20190615_1521452-636x358

Desde a sua nomeação como CreativeFriendlyDestination em 2018, as Îles de la Madeleine (Ilhas Magdalen) consolidaram-se como um modelo para destinos turísticos criativos em todo o mundo. Caroline Couret, diretora da CreativeTourismNetwork®, nos conta mais sobre sua evolução.

Você está voltando das Îles de la Madeleine, pode compartilhar sua experiência conosco?

Claro, mas, como você sabe, este é um tipo de desafio duplo. Em primeiro lugar, porque você nunca sai realmente das ilhas – o magnetismo que circunda a terra, o peculiar caráter insular e a disposição amigável dos Madelinots são tais que você sempre deixa uma parte de você para trás. A conexão que você faz com as ilhas é tão forte que demora até mesmo quando você sai, e você imediatamente quer planejar sua próxima viagem por lá. Além disso, cada experiência é única e, como tal, é muito difícil colocar em palavras, mas descreverei as minhas o melhor que puder.

Quais são as características que tornam as ilhas únicas?

Quando você chega lá – de avião ou de barco – você obtém imediatamente um forte senso de singularidade: esse lugar é único, você acha, tão único que você sabe que essa experiência será diferente de tudo o que você já viveu antes. É muito raro, para viagens ávidas, descobrir um destino que é singular em todos os sentidos. É muito difícil explicar, porque você obtém esse sentimento de uma combinação de muitos elementos intangíveis e emoções que, embora pessoais, fazem parte dessa experiência.

Se os artistas nascem Madelinots ou vêm por sua atmosfera inspiradora, eles compõem uma parte substancial da população, em número, em diversidade e em qualidade.

Mais precisamente, quais seriam esses elementos?

Primeiro de tudo, a beleza natural das ilhas! Este também é um feito bastante raro. A última década foi gasta pelas cidades em tentar distinguir-se em todos os sentidos, muitos deles artificiais, como se fosse uma corrida. Agora, nossas sociedades estão vendo uma mudança de valores e um crescente interesse pela intangibilidade e autenticidade. Este é definitivamente um elemento de destaque que as Îles de la Madeleine podem usar a seu favor: elas atraem as pessoas por serem naturais. Entre esses feitos, há também a sensação de hospitalidade dos moradores locais e sua natureza acolhedora.

Criativamente falando, só posso admirar o estupendo potencial artístico das ilhas. Se os artistas nascem Madelinots ou vêm por sua atmosfera inspiradora, eles compõem uma parte substancial da população, em número, em diversidade e em qualidade.

Vamos falar mais sobre essa oferta em criatividade. Você pode nos dar alguns exemplos disso?

Há tantas experiências criativas que sou tentado a falar sobre todas elas, mas isso levaria um tempo! Por isso, convido-o a ver o website e as redes sociais da CreativeTourismNetwork®, nos quais publicamos regularmente artigos e notícias que contam belos encontros humanos e criativos. Mas no geral, eu diria que todos os setores criativos e de artes estão representados, e as criações são uma ode à natureza e cultura local. As ofertas vão desde aulas de culinária até oficinas de cerâmica e sabonetes, oficinas de óleos essenciais, aulas de como fazer velas e vidros soprados … Às vezes, elas se cruzam – na verdade, a co-criação é muito presente nas ilhas, onde artistas gostam de cruzar pontos de vista e talento, a fim de nos proporcionar novas experiências artísticas incomuns. Isso é algo digno de nota: todo artista tem e exibe outras peças de arte. Às vezes, também são organizadas colaborações temporárias: durante as noites do festival “Contes en Îles” (Contos das Ilhas), você pode ver as esculturas de madeira de Annie Morin como peça central. Você também pode experimentar o Folles Virées Gourmandes (Viagem Saborosa Louca), um evento que reúne uma multidão entusiástica em torno de atividades culturais e festivas onde a arte e a gastronomia se mesclam para criar um espetáculo único.

Nas Îles de la Madeleine, todas as experiências formam uma narrativa que se mantém fiel ao sentimento de pertença dos locais.

Essas atividades estão disponíveis para todos?

Absolutamente. Todos eles são baseados em um denominador comum: o desejo de compartilhar que os Madelinots instilem em todos nós! Todos os turistas criativos, de todas as origens e perfis são bem-vindos – de idosos, millennials, indivíduos, grupos, casais, famílias, pessoas que querem fugir em um resort ou um retiro artístico … Agências e agências de viagens também podem encontrar as melhores ofertas clientes. Algumas atividades foram implementadas e já são bem-sucedidas. Os locais também se juntam a eles. É difícil encontrar uma garantia melhor de qualidade.

Você acha que existe uma fórmula para esse sucesso que poderia ser aplicada a outros destinos?

I would indeed say that the ïles de la Madeleine are a role model for other destinations that want to implement a form of tourism that is creative, attractive for the new generations of tourists, and beneficial for the territory and the locals. However, it isn’t a model you can “copy” – each city, town, or village, and its infrastructure is unique. Each destination must draw on its own resources and features, be it natural, cultural, human, or creative.

Na sua opinião, entre as boas práticas das ilhas, quais devem ser adotadas pelos destinos que tentam se tornar criativos?

Primeiro de tudo, eles devem se concentrar na qualidade, que é a característica diferenciadora número um. As atividades também devem ser autênticas e refletem o DNA do destino – isso dá sentido à experiência, ajuda a entender a cultura local e, portanto, aproveita e valoriza. Nas Îles de la Madeleine, todas as experiências formam uma narrativa que se mantém fiel ao sentimento de pertença dos locais. Além disso, unir artistas e criadores que estão ansiosos para compartilhar seus conhecimentos contribui para a criação de um clima que favoreça a troca e o compartilhamento. Tive a oportunidade de conhecer vários deles e quero destacar como eles estão felizes em colaborar neste projeto. Sua visão é clara sobre os limites dessas atividades turísticas e como o ecossistema natural das ilhas deve ser preservado.

Outra qualidade que eu raramente vi em outros destinos: todos são muito próximos. Todo artista só fala brevemente sobre eles mesmos antes de mudar para o trabalho de seus colegas. Esse recurso bastante excepcional contribui para criar sinergias e é um círculo virtuoso no qual o turismo criativo é carregado por uma energia positiva. Assim, a criação de redes e a criação de uma cadeia de valor suplanta-se entre si.

A região está repleta de artistas talentosos, apaixonados e com a visão empreendedora necessária para promover seu projeto, tornando-o lucrativo, respeitando sua filosofia e suas convicções.

Como os destinos podem executar esse programa?

O elemento chave são as pessoas, sua diversidade e criatividade, mas é claro que também é necessário um elemento federativo que estruture e facilite o processo. Dessa forma, sinergias são criadas e uma abordagem e direção global é dada para maximizar o potencial de um destino. No presente caso, o Tourism des Îles de la Madeleine, a Organização de Gestão de Destinos (DMO) e o Cluster de Turismo da Ilha no contexto insular, são os que assumem o papel de criadores, facilitadores e interlocutores de todos os atores locais. Mais uma vez, isso tem demonstrado ser uma fórmula de sucesso. A sinergia entre eles e as partes interessadas locais gera resultados positivos em todos os momentos do processo. O desenvolvimento do turismo criativo é possível, em primeiro lugar porque a região é repleta de artistas e artesãos que são talentosos, apaixonados e têm a visão empreendedora necessária para promover seu projeto, tornando-o lucrativo, respeitando sua filosofia e suas convicções.

Em segundo lugar, o cluster turístico também é notavelmente ativo em termos de rede, pois desenvolve colaborações com as regiões vizinhas de Quebec, como Laurentides, com quem inicia projetos que visam apoiar a inovação e estimular a concorrência corporativa. Internacionalmente, é uma grande honra para a Creative Tourism Network® contar as ilhas como um dos nossos parceiros, especialmente porque sua evolução é tão coerente. Em 2015, as Îles de la Madeleine receberam o prémio de melhor estratégia turística, que foi atribuído pela Creative Tourism Network® e, desde então, demonstraram sempre o seu empenho e a sua experiência no planeamento estratégico. Desde o início do programa oficial CreativeFriendlyDestination nas ilhas em outubro de 2018, o desenvolvimento de seu projeto foi notavelmente acelerado. Fiquei muito impressionado ao notar que muitos artistas usaram os meses mais frios para montar seu projeto criativo e desenvolver infra-estruturas dedicadas a eles. Então você entende por que estamos tão interessados ​​em promovê-los!

Qual é o próximo passo?

Do nosso lado, precisamos fazer a demanda e o suprimento se encontrarem. Isto implica imaginar os diferentes perfis e casos que poderiam atrair novos tipos de viajantes para as ilhas. Esses viajantes, por sua vez, ajudarão a prolongar a temporada turística de forma coerente e respeitosa com a vontade dos Madelinots de preservar seu pequeno paraíso!

Mais sobre as Iles :

Le Québec, terrain fertile du tourisme créatif, Economie et Innovation Québec (Ministère de l’Economie et Innovation)

Visite nossa página.

Visite o site deles.